23 de abr de 2008

Auto formato

Comecei paulinho
retratos, reflexos tensivos
Sincretizei capas
Matérias, cartas, caminhos
Hoje Van Gogh
Descobri carinho

21 de abr de 2008

Delete

Primeiro ela não vivia sem
Sonhava tudo ao redor de si
Depois decidiu ir além
Conhecer o mundo e eu adormeci

Privacidade ela pediu
Fronteiras não quis romper
Um deleite frágil
Fez conhecer

Sonho léguas
Parto mágoas




Partiu

Devir

Queria ser a sutileza dos poetas,
a sabedoria dos mortos,
a nobreza da loucura.

Sou apenas isso: letras entre pontos.

Quintos

Tem filho da puta alto astral!
Fingindo que está com orgulho ferido,
Aumenta a dor de quem está sentido
E decreta feriado nacional.

Vai à merda, meu irmão!
Com essa cara de bonzinho
Você fere mais um ninho
E finge que é indecisão...

Caráter não se vende com palavras
Nem se assobia aos quatro cantos
A gente é o que a gente faz

Se um dia, Quincas, eu brigar pelas batatas,
Usarei meus mantos santos
E direi que luto pela paz.

CHOROSOFIA

Não consigo desatar esse nó na garganta.
Impressionante! O bosta do otorrino não pode tirar isso de mim não?
Vou ter que puxar esse barbante enorme, que provavelmente penetrou em meu intestino e embolou cada instante que tive de engolir o choro?
Pôrra, mas eu não quero remoer o que eu vivi, quero dar um passo à frente.
É foda ter que ensaiar o choro, com lenço, almofada na cara , forçar um pensamento merdinha e fazer papel de idiota
Chora, treme perninhas, soluça... soluça mais....Calma! entupiu o nariz.....Chora, porra!
E o choro é um desespero!
Parece que vem freado...
Tenho inveja é do choro fácil!
Aquele com vontade, na hora que dá de verdade...
Ai, ai!
Com essa idade tendo que aprender a fazer o que qualquer pirralho faz naturalmente assim que nasce.
O choro deve ser uma dessas coisas que a gente desaprende com a vida.
Chorosofando eu vou vivendo,
Mas a merda do nó.....