27 de jan de 2010

ARVORÂMIDE

Infantilidade Imatura Dura com Propriedade
Quanto mais não sinto, me descubro burra
Um grito desesperado por afeto sussura sem calamidade
Apago o relance, retorno surda e mudo a prosa com um sorriso de lado